VOCÊ NÃO ESTÁ NA PÁGINA PRINCIPAL. CLIQUE AQUI PARA RETORNAR






sexta-feira, julho 14, 2006

Aniquilacionismo

Aniquilacionismo

É a doutrina da extinção das almas dos ímpios em vez de serem enviadas, conscientes, para o inferno eterno. Os descrentes serão destruídos, enquanto os justos entrarão no estado de bem-aventurança.


Apoio das Escrituras

A segunda morte. Os aniquilacionistas apontam para referências bíblicas sobre o destino dos ímpios como a “segunda morte” (Ap 20.14) para apoiar sua teoria. Já que a pessoa perde a consciência deste mundo na primeira morte (morte física), argumenta-se que a “segunda morte” envolverá inconsciência no mundo por vir.

Destruição eterna. As Escrituras falam dos ímpios sendo “destruídos”. Paulo disse:
“... quando o Senhor Jesus for revelado lá dos céus, com os seus anjos poderosos, em meio a chamas flamejantes. Ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão a pena de destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder" (2 Ts 7b-9).

Os aniquilacionistas insistem que a figura da “destruição” é incompatível com a existência contínua e consciente.

Perdição. Os ímpios são descritos como reservados para a “perdição” (ECA) ou “destruição” (RA, 2 Pe 3.7), e Judas é chamado “destinado à perdição” (Jo 17.12). A palavra perdição (apoleia) significa perecer. Isso, argumentam os aniquilacionistas, indica que os perdidos perecerão ou deixarão de existir.

O mesmo que não haver nascido. Jesus disse sobre Judas, que foi levado para a perdição, que “melhor lhe seria não haver nascido” (Mc 14.21). Antes de uma pessoa ser concebida ela não existe. Então, se o inferno é igual à condição de pré-nascimento, deve ser um estado de inexistência.

Os ímpios perecerão. Várias vezes o Antigo Testamento menciona os ímpios perecendo. O salmista escreveu: “Mas os ímpios, murcharão, perecerão; e os inimigos do Senhor como a beleza dos campos desvanecerão como fumaça” (Sl 37.20; cf. 68.2; 112.10). Perecer, todavia, implica no estado de inexistência.


Respondendo aos Argumentos das Escrituras

Quando examinadas cuidadosamente em seu contexto, nenhuma das passagens acima comprova o aniquilacionismo. Em alguns pontos a linguagem pode permitir tal conclusão, mas em nenhum caso o texto exige o aniquilacionismo. Examinando em cada contexto e em comparação com outras passagens das Escrituras, o conceito deve ser rejeitado em todos os casos.

Separação, não extinção. A primeira morte é apenas a separação entre a alma e o corpo (Tg 2.26), não a aniquilação da alma. As Escrituras apresentam a morte como separação consciente. Adão e Eva morreram espiritualmente no momento em que pecaram, mas ainda existiram e podiam ouvir a voz de Deus (Gn 3.10). Antes de sermos salvos, estamos “... mortos em [...] transgressões e pecados” (Ef 2.1), e ainda assim trazemos em nós a imagem de Deus (Gn 1.27; cf. Gn 9.6; Tg 3.9). Apesar de serem incapazes de chegar-se a Cristo sem a intervenção de Deus, os “espiritualmente mortos” estão suficientemente cônscios de que as Escrituras exigem que eles creiam (At 16.31), e se arrependam (At 17.30). Consciência contínua, no estado de separação de Deus e de incapacidade para salvar-se – essa constitui a visão das Escrituras sobre a segunda morte.

Destruição, não inexistência. Destruição “eterna” não seria aniquilação, que só dura um instante e acaba. Se alguém sofre destruição eterna, então deve ter existência eterna. Os carros num depósito de ferro velho já foram destruídos, mas não aniquilados. Eles simplesmente são irreparáveis ou, irrecuperáveis. As pessoas no inferno também.

Já que a palavra perdição significa morrer, perecer ou arruinar, as mesmas objeções se aplicam. Em 2 Pedro 3.7 a palavra perdição (RA) é usada no contexto de julgamento, claramente implicando consciência. Na analogia do ferro velho os carros destruídos pereceram, mas ainda são carros. Nesse contexto, Jesus falou do inferno como depósito de lixo onde o fogo não cessaria e onde o corpo ressurreto de uma pessoa não seria consumido (Mc 9.48).

Além dos comentários sobre a morte e perdição anteriores, deve-se observar que a palavra hebraica usada para descrever os ímpios perecendo no Antigo Testamento ('āvad) também é usada para descrever os justos perecendo (v. Is 57.1; Mq 7.2). Mas até os aniquilacionistas admitem que os justos não serão aniquilados. Sendo esse o caso, não deveriam concluir que os ímpios deixarão de existir com base nesse termo.

A mesma palavra ('āvad) é usada para descrever coisas que estão apenas perdidas e mais tarde são encontradas (Dt 22.3), o que prova que perdido não significa inexistente.

Melhor lhe seria...” Quando diz que teria sido melhor se Judas não tivesse nascido, Jesus não está comparando a perdição de Judas com a inexistência antes da concepção, mas com sua existência antes do nascimento. Essa linguagem figurada hiperbólica muito provavelmente indicaria a severidade do seu castigo; não é uma afirmação sobre a superioridade da inexistência sobre a existência. Numa condenação paralela dos fariseus, Jesus disse que Sodoma e Gomorra se arrependeriam se tivessem visto os milagres dele (Mt 11.23, 24). Isso não quer dizer que realmente teriam se arrependido, pois em tal caso Deus certamente lhes teria mostrado esses milagres – 2 Pedro 3.9. É simplesmente uma linguagem figurada poderosa que indica que seu pecado foi tão grande que “no dia do juízo haverá menor rigor para Sodoma” que para eles (Mt 11.24).

Além disso, o nada jamais poderá ser melhor que algo, já que não existe entre eles qualquer coisa comum por meio da qual compará-los. Então não-existir não pode ser realmente melhor que existir. Supor o contrário é um erro de categoria.


Argumentos Bíblicos – Além da ausência de qualquer passagem definitiva a favor do aniquilacionismo, vários textos apóiam a doutrina de castigo consciente eterno. Um breve resumo inclui:

O homem rico no Hades. Ao contrário de parábolas que não têm personagens reais, Jesus contou a história de um mendigo real chamado Lázaro que foi para o céu e de um homem rico que morreu e foi para o Hades e estava em tormento consciente (Lc 16.22-28). Ele clamou:

“Pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda que Lázaro molhe a ponta do dedo na água e refresque a minha língua, por que estou sofrendo muito neste fogo”. Mas Abraão respondeu: “Filho, lembre-se de que durante a sua vida você recebeu coisas más. Agora, porém, ele está sendo consolado aqui e você está em sofrimento” (v. 24.25).

O homem rico implorou que seus irmãos fossem avisados “a fim de que eles não venham também para este lugar de tormento” (v. 28). Não há indício de aniquilação nesta passagem; ele está sofrendo tormento constante e consciente.

O lugar de choro e ranger de dentes. Jesus disse várias vezes que as pessoas no inferno estão em agonia constante. Ele declarou que “os súditos do Reino serão lançados para fora, nas trevas onde haverá choro e ranger de dentes” (Mt 8.12; cf. 22.13; 24.51; 25.30). Mas um lugar de choro é obviamente um lugar de tristeza consciente. Quem não está consciente não chora.

O lugar onde o fogo não se apaga. Várias vezes Jesus chamou o inferno “lugar de fogo inextinguível” (Mc 9.43-48) onde os corpos dos ímpios nunca morrerão (cf. Lc 12.4,5). Mas não faria sentido haver fogo eterno e corpos desprovidos de almas para sofrer o tormento.

Um lugar de tormento eterno. João, o apóstolo, descreveu o inferno como um lugar de tormento eterno, declarando:

“O Diabo [...] foi lançado no lago de fogo que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta. Eles serão atormentados dia e noite, para todo o sempre" (Ap 20.10).

O lugar para a besta e o falso profeta. Exemplificando claramente que esses seres ainda estarão conscientes depois de anos de tormento no inferno, a Bíblia diz sobre a besta e o falso profeta que “os dois foram lançados dentro do lago de fogo que arde com enxofre” (Ap 19.20) antes dos “mil anos” (Ap 20.2). Mas depois desse período “o Diabo, que as enganava, foi lançado no lado de fogo que arde com enxofre, onde já haviam sido lançados a besta e o falso profeta" (Ap 20.10). Eles não só estavam “vivos” quando entraram, como também ainda estavam vivos depois de anos de tormento conscientes.

O lugar de castigo consciente. O fato de que os ímpios “sofrerão a pena de destruição eterna” (2 Ts 1.9) implica que eles devem estar conscientes. Não se pode sofrer penalidade sem existência. Não é castigo bater num cadáver. Uma pessoa inconsciente não sente dor.

A aniquilação não seria um castigo, mas sim um livramento de toda penalidade. Jó pôde sofrer algo pior que aniquilação nesta vida. O castigo dos ímpios no pós-vida teria de ser consciente. Doutra forma, Deus teria dado um castigo menor aos ímpios que a alguns justos, pois nem todos os ímpios sofrem tanto quanto os justos nesta vida.

O lugar eterno. O inferno é descrito como tendo a mesma duração que o céu: “eterno” (Mt 25.41). Já que os santos são descritos como conscientemente alegres (Lc 23.43; 2 Co 5.8; Fp 1.23), os pecadores no inferno estão conscientes durante o castigo (cf. Lc 16).


Argumentos Filosóficos – A favor da aniquilação. Além dos argumentos bíblicos, muitos aniquilacionistas oferecem razões filosóficas para rejeitar o castigo consciente e eterno. Entretanto, da perspectiva teísta, a maioria delas nada mais é que uma variação do tema da misericórdia de Deus. Os argumentos dos que negam o teísmo ou a imortalidade humana são vistos nesses respectivos artigos.

Os aniquilacionistas argumentam que Deus é um Ser misericordioso (Êx 20.6), e é desumano deixar que pessoas sofram conscientemente para sempre. Matamos animais encurralados quando não podemos retirá-los de compartimentos em chamas. Livramos outras criaturas de seu sofrimento. Os aniquilacionistas argumentam que um Deus misericordioso certamente faria o mesmo por suas criaturas.

Contra a aniquilação. O próprio conceito de um Deus absolutamente misericordioso implica que ele é o padrão absoluto de que é misericordioso e moralmente correto. Na verdade, o argumento moral para a existência de Deus demonstra isso. Mas se Deus é o padrão absoluto de justiça moral, não lhe podemos impor nosso conceito de justiça. A própria idéia de injustiça pressupõe um padrão absoluto, que os teístas atribuem a Deus.

A aniquilação rebaixa tanto o amor de Deus quanto a natureza dos seres humanos como criaturas morais. Seria como se Deus lhes dissesse; “Permitirei que sejam livres apenas se fizerem o que eu mandar. Se não fizerem, então eliminarei sua liberdade e existência!”. Isso seria como se um pai dissesse ao filho que esperava que ele fosse médico, mas, quando o filho decidisse ser um guarda florestal, o pai o matasse. O sofrimento eterno é o testemunho eterno da liberdade e dignidade dos seres humanos, mesmo dos que não se arrependem.

Seria contrário à natureza dos homens aniquilá-los, já que foram feitos à imagem e semelhança de Deus, que é eterno (Gn 1.27). Os animais geralmente são mortos para que aliviemos sua dor. Mas (a despeito do movimento da eutanásia) não podemos fazer o mesmo com os seres humanos exatamente porque não são meros animais. São seres criados à imagem de Deus e, por isso, devem ser tratados com o maior respeito pela dignidade de portadores da imagem de Deus. Não permitir que continuem a existir segundo destino que escolheram, por mais doloroso que seja, é eliminar a imagem de Deus neles.

Além disso, eliminar uma criatura feita à imagem imortal de Deus é renunciar ao que Deus lhe deu – a imortalidade. Equivale, no caso de Deus, a atacar a própria imagem ao destruir seus portadores. Mas Deus não age contra si mesmo.

Castigar o crime de dizer uma meia-verdade com a mesma ferocidade que um genocídio é injusto. Hitler deveria receber um castigo maior que um ladrão comum, apesar de ambos os crimes afrontarem a santidade infinita de Deus. Certamente nem todo julgamento proporcional ao pecado é executado nesta vida. A Bíblia fala sobre níveis de penalidade no inferno (Mt 5.22; Ap 20.12-14). Mas não há níveis de aniquilação. A inexistência seria a mesma para todos.


Conclusão: A doutrina da aniquilação tem bases mais sentimentais que bíblicas. Várias passagens afirmam claramente que os ímpios sofrerão eterna e conscientemente no inferno.

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Todas as vezes que alguem se posiciona afavor do aniquilacionismo ex: John Stott, os amantes do tormento eterno dizem que essa posição se baseia em emoção. Pois bem a posição contrária, também se baseia na emoção: Um sentimento humano de vingança ódio e desejo de fazer sofrer o culpado.

Achamos que Deus além de amor e justiça, também é ódio.

Primeiramente gostaria de deixar claro que eu sou cristão evangélico (batista) e que não me sintonizo com o adventismo, e muito menos com o jeovismo. Porém há algumas questões que eu gostaria de colocar.

Eu tenho honestamente muita dificuldade em crer que pessoas que nasceram debaixo do pecado e que por ele são escravizadas, que vivem em média 70 anos, possam no final irem parar no inferno de fogo que tem por objetivo segundo a nossa tradição evangélica que entendem os textos bíblicos referente ao inferno como um lugar que serve para atormentar eternamente.

Sabemos o quanto é difícil entrar no reino de Deus. Pessoas que aparentemente de um ponto de vista humano parecem excelentes e
irrepreensíveis (ex: Nicodemos) não estão habilitadas segundo o próprio Jesus a participar do céu.

Temos uma natureza corrompida pelo pecado e sabemos por experiência própria que não é fácil morrermos para o eu e sermos regenerados pelo Espírito. A Bíblia diz que são poucos os que acertam o caminho estreito que conduz a vida eterna. Então mesmo que possamos evangelizar os nossos familiares e amigos e todos os que estão em nossa volta, muito provavelmente a maioria deles não desenvolverão fé em Jesus para salvação. Como resultado muitos daqueles que amamos e sofremos quando os perdemos por ocasião da morte,serão condenados ao inferno e serão segundo o nosso tradicional ponto de vista atormentados no inferno eternamente.

Quero deixar claro que não sou universalista. Ninguém que não receba pela fé o presente de Deus (a salvação realizada pela obra redentora do Senhor Jesus na cruz) pode ser salva.

Outro dia eu estava vendo um documentário cristão em DVD a respeito dos Judeus (Israel,Islã e Armagedom - Dave Hunt) e vi umas imagens de vários corpos de judeus sendo derramados em grandes valas que seria depois incinerados pelos nazistas no holocausto de Hítler. Como imaginar o sofrimento daquelas pessoas que não possuíam fé em Cristo, depois de tantos horrores que culminaram em suas mortes irem em seguida parar num lugar ainda pior?

Sei que o irmão podem argumentar que essa abordagem é puramente emocional e que não serve para balizarmos nossas crenças referente ao que vem depois da morte. Mas ela não é só emocional, ela também é firmada na razão.

Será que realmente estamos raciocinando e, portanto, fazendo um juízo correto do Deus das Escrituras? Será que interpretamos corretamente o significado da palavra inferno descrito nas páginas da Bíblia?

John Stott teólogo evangélico Britânico que adotou um ponto de vista da imortalidade condicional e da aniquilação dos que não se salvarão, considera esta posição por ele defendida como possivelmente Bíblica. Será que podemos considerá-lo um herege por pensar assim?

Algumas pessoas dizem que o aniquilacionismo é uma das formas do universalismo. Porém não me parece assim. O fato das pessoas perderem a possibilidade de morar no céu e serem destruídas deixa bastante claro que elas não foram salvas como as demais e, portanto, o argumento universalista de que no final, todos serão salvos, se difere da crença no aniquilacionismo.

Nós evangélicos usamos chavões do tipo: a alma é imortal , mas onde encontramos isso na Bíblia? Não está escrito exatamente o contrário?

Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá. (Ezequiel 18:4)

A maioria dos textos que usamos para defender a existência consciente da alma após a morte física trata-se de textos em forma de parábolas e símbolos como os encontrados no livro de apocalipse.

A parábola do Rico e Lázaro é a nossa preferida. Dizemos que não se trata de parábola, pois o nome próprio do mendigo é mencionado. Porém isso é perfeitamente possível em parábolas. No livro Todas as parábolas da Bíblia de Herbert Lockyer, ele, que apesar de defender uma interpretação tradicional do texto, prova que se trata de parábola mostrando na Bíblia essa possibilidade de se usar nomes próprios em parábolas:

"E os seus nomes eram: Aolá, a mais velha, e Aolibá, sua irmã; e foram minhas, e tiveram filhos e filhas; e, quanto aos seus nomes, Samaria é Aolá, e Jerusalém é Aolibá." (Ezequiel 23:4)

Dizer que a morte não significa o fim, mas apenas a separação da alma do corpo físico, me parece estranho à necessidade da ressurreição.

E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos. (I Corintios 15:17,18)

Porque os que dormiram em Cristo estão perdidos, se eles estão na glória,no paraíso junto de Jesus? Afinal não é assim que entendemos? Não existe vida consciente no estado intermediário onde os mortos em Cristo desfrutam de gozo inefável?

Que estranha afirmação é esta de Paulo:

Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens. (I Corintios 15:19)

Afinal que alternativa ele vislumbra além desta vida? Não é a de que partiríamos em alma e espírito conscientes rumo ao céu?

Não! Ele apresenta a ressurreição como a nossa única esperança:

Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem. (I Corintios 15:20)

Veja bem, eu não fechei essa questão. Só estou argumentando.

6:53 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home